Subscribe to web2feel.com
Subscribe to web2feel.com

Como vai você, eu preciso saber da sua vida...

Postado por Gisele Raposo terça-feira, 21 de outubro de 2008

Campinas - Hoje mais um texto para a coluna "Como vai você", desta vez com o piloto Patrick Friesacher, que mesmo tão jovem, já deixou a Fórmula 1 e partiu para outras categorias.
Patrick nasceu na Áustria, em 26 de setembro de 1980, e apaixonado por motos que era, iniciou sua carreira aos 5 anos, correndo sobre duas rodas em categorias infantis.
Aos 10 anos, descobriu outra paixão: o kart. Com isso tratou de sua transferência das duas para as quatro rodas. Nos dois primeiros anos competiu apenas em seu país natal, mas depois passou a correr em vários países europeus. Seu melhor resultado foi no Campeonato Italiano de Kart, quando sagrou-se campeão. Friesacher competiu com karts até os 17 anos.
Ironicamente, um piloto que gostava tanto de motos, sofreu um gave acidente quando pilotava uma fraturou o calcanhar e, após a cirurgia, ficou internado por mais de um mês no hospital para recuperação. Sem desanimar com a carreira, Friesacher participou de testes para a Fórmula Renault Campus fancesa, categoria na qual jovens pilotos têm a oportunidade de correr com monopostos.
Ele foi escolhido para disputar uma temporada e assim, em 1998, iniciou a competição na categoria francesa e nela tornou-se terceiro colocado geral. No ano seguinte, migrou para Fórmula 3 Francesa e com 13 pódios (duas vitórias) foi mais uma vez terceiro colocado na tabela.
Em 2000, Friesacher sentou-se no Dallara da Opel Team para disputar a Fórmula 3 alemã, mas não obteve bons resultados. Com quatro pódios (duas vitórias) ficou apenas na sexta posição no final da temporada. Neste mesmo ano, participou também de provas na F3 coreana, chinesa (Macau) e na Européia.
Em 2001, a Red Bull Juniors Team colocou Friesacher em seu quadro de jovens pilotos e com isso o austríaco passou a competir na F3000. Após 12 corridas, nenhum pódio, mas com seis boas atuações durante a temporada (nas quais somou oito pontos totais), ele ficou na décima terceira posição do campeonato, mas assegurou-se por mais um ano na categoria.
Em 2002, Patrick Friesacher melhorou sua colocação na tabela, conquistando a décima colocação, um pódio e 14 pontos. No ano seguinte, ainda pelo time da Red Bull e com um pouco mais de experiência, foi o quinto colocado no geral, com 36 pontos, quatro pódios e uma vitória, em Hungaroring, conseguida ao retornar às pistas após fraturar o braço em um acidente durante a temporada.
Em 2004, Friesacher disputou mais um ano da F3000, desta vez sem o patrocínio da marca de energéticos. No início da temporada defendeu o time SuperNova, mas terminou sentado no carro da Coloni Motorsport, novamente em quinto na tabela, dois pódios e uma vitória.
Apesar dos pesares, em novembro deste mesmo ano, surgiu a grande oportunidade do austríaco: testar um carro de Fórmula 1, pela Minardi. Após o ensaio ficou combinado que Friesacher seria o piloto de testes da equipe durante a temporada de 2005, contudo Nicolas Kiesa, dono do assento para aquele ano, não conseguiu pagar pela vaga e o austríaco (com dinheiro na mão) ganhou o direito de competir pela equipe no ano seguinte, ao lado de Christian Albers.
A temporada de 2005 começou com Friesacher sentado nos carros da Minardi, mas depois de meia temporada e apenas 3 pontos conquistados com o sexto lugar na prova de Indianápolis - na qual todos os bólidos calçados com Michelin não largaram e somente os seis carros de Brigestone correram (Ferrari, Minardi e Jordan) - a direção da equipe achou melhor substituí-lo e dar a vaga para Robert Doormbos. Era o fim do sonho de pilotar um F1.
Sem nenhum assento garantido, para a próxima temporada, Patrick foi dar uma mãozinha ao time Austríaco da A1GP e substituiu o piloto Matiias Lauda, por uma rodada do campeonato de 2005-06, em Monterrey/México. Chegou em 10º e em 9º, em cada uma das corridas e deu à equipe três pontos.
Desde então, Friesacher não esteve em nenhum campeonato até a entrada do ano 2008, quando o time Risi Competitione, da America Le Mans Series, anunciou-o como co-piloto de uma das Ferraris da equipe, ao lado de Harrison Brix, outro estreante na categoria.
E já que o ano prometia assento, a equipe Austríaca convidou, em agosto, Friesacher para testar o carro para a temporada 2008-09 da A1GP. Entretanto a sorte queria escapar. Em um dos treinos, a suspensão do bólido quebrou e, sem controle do carro, o piloto bateu e mais uma vez se machucou com seriedade, fraturando três vértebras. O acidente fez com que o construtor do carro (igual para todas as equipes) fosse obrigado a redesenhá-lo, apresentando um modelo mais seguro e que não quebrasse sozinho. Esta ação fez com que o início da temporada da A1GP fosse adiado em alguns dinais de semana.
Os médicos previram um afastamento de três meses para a total recuperação, com isso Friesacher não pôde retornar às disputas do campeonato de 2008 da ALMS. Das cinco provas que participou, seu melhor resultado foi na corrida de São Peterbusgo/Flórida, na qual obteve o quinto lugar na categoria GT2. Sua pior colocação, foi um oitavo lugar em Salt Lake City.
Ainda não há previsão sobre qual categoria ele disputará em 2009, uma vez que se aguarda ainda sua melhora. Desejamos noticiar em breve seu retorno às pistas!

1 Responses to Como vai você, eu preciso saber da sua vida...

  1. Manu Says:
  2. Gisele! Obrigada pelo comentário no meu blog.
    Adicionei o Café com F1 p/ q eu possa visitar mais vezes e deixar um comentário tbm!

    *Desculpe a pressa depois volto aqui com mais tempo!^^ Vi q será proveitosa minhas visitas!^^

    Bjos!

     

Calendário

Videoteca

Twitter


Postagens populares

Newsletters